Legislação e Alfândega

Os produtos Endocas são legais de acordo com os regulamentos atuais da UE e atendem ao limite de conteúdo de THC em produtos de cânhamo de no máximo 0,2% de THC, em alguns produtos Endoca não há conteúdo de THC.

Para a Dinamarca, nossos mais de 20.000 usuários são entregues sem casos aduaneiros.

Infelizmente para a Groenlândia, não podemos entregar.

Para a Suécia, nossos usuários também experimentam entregas sem casos alfandegários.

Para a Noruega, desde o início de fevereiro de 2020, a transportadora informou a UPS de que não poderá mais entregar produtos de CBD fora da União Europeia (UE). Antes disso, vimos três casos aduaneiros na Noruega em 2018. Em 2019, nossos comerciantes na Noruega viram que todas as encomendas foram entregues. Infelizmente, não podemos mais entregar à Noruega devido às novas regras de transporte fora da UE.

Devido à livre circulação de mercadorias na UE, você, como pessoa física, tem o direito de receber seus produtos CBD de cannabis Endoca orgânicos de um país da UE onde o produto é legal e entregue a você na Dinamarca e em outros países da UE.

Livre circulação de mercadorias Parlamento Europeu - À sua disposição

A livre circulação de mercadorias, que é a primeira das quatro liberdades fundamentais no mercado interno, é garantida através da abolição dos direitos aduaneiros e das restrições quantitativas e da proibição de medidas de efeito equivalente. Os princípios do reconhecimento mútuo, a remoção das barreiras físicas e técnicas e a promoção da normalização foram adicionados para promover a realização do mercado interno. Com a adoção do novo quadro jurídico em 2008, a comercialização de produtos, a livre circulação de mercadorias, o sistema de fiscalização do mercado da UE e a marcação CE foram significativamente fortalecidos.

Além disso, o princípio do reconhecimento mútuo foi consolidado para abranger uma vasta gama de outros produtos não abrangidos pela harmonização da UE. Leia mais aqui: http://www.europarl.europa.eu/factsheets/da/sheet/38/fri-rorlighet-for-varor

base jurídica

Artigos 26.o e 28.o a 37.o do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE).

POLÍTICAS E MEDIDAS INTERNAS DA UNIÃO - MERCADO INTERNO

artigo 26

(ex-artigo 14.o TCE)

1. A União adota medidas para estabelecer o mercado interno ou para garantir o seu funcionamento em conformidade com as disposições pertinentes dos Tratados.

2. O mercado interno compreende um espaço sem fronteiras internas em que a livre circulação de mercadorias, pessoas, serviços e capitais está em conformidade com as disposições dos Tratados.

3. O Conselho, sob proposta da Comissão, estabelecerá as diretrizes e condições necessárias para garantir progressos equilibrados em todos os setores envolvidos.

LIVRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS

artigo 28

(ex-artigo 23.o TCE)

1. A União deve, inter alia, uma união aduaneira, que abrange todas as trocas de mercadorias, que proíbe direitos aduaneiros de importação e exportação para outros Estados-Membros, bem como todos os encargos de efeito equivalente, e a imposição de uma tarifa aduaneira comum a países terceiros.

2. O disposto no artigo 30.o e no capítulo 3 do presente título é aplicável aos produtos originários dos Estados-Membros e aos produtos originários de países terceiros que são livremente comercializáveis ​​nos Estados-Membros.

artigo 29

(ex-artigo 24.o TCE)

Mercadorias que são livremente comercializáveis ​​em um Estado-Membro, as originárias de um país terceiro para o qual foram cumpridas as formalidades estabelecidas pelo Estado-Membro em questão para fins de importação e para as quais esse Estado-Membro aplicou direitos e encargos aplicáveis ​​de efeito equivalente, e relativamente aos quais esses direitos aduaneiros não tenham sido total ou parcialmente reembolsados.

CAPÍTULO 1

UNIÃO ADUANEIRA

artigo 30

(ex-artigo 25.o TCE)

São proibidos direitos aduaneiros de importação e exportação e outros encargos de efeito equivalente entre os Estados-Membros. Isso também se aplica a obrigações financeiras.

artigo 31

(ex-artigo 26.o TCE)

O Conselho, sob proposta da Comissão, fixa os direitos da pauta aduaneira comum.

artigo 32

(ex-artigo 27.o TCE)

No desempenho das funções que lhe são confiadas por força do presente capítulo, a Comissão terá em conta:

a) necessidade de promover o comércio entre Estados-Membros e países terceiros

b) O desenvolvimento de condições de concorrência na União, na medida em que esses desenvolvimentos reforcem a competitividade das empresas;

c) Necessidade de fornecimento de matérias-primas e produtos semi-acabados pela União, garantindo ao mesmo tempo que as condições de concorrência entre os Estados-Membros em relação aos produtos acabados não sejam distorcidas

(d) a necessidade de evitar perturbações graves na vida económica dos Estados-Membros e de assegurar o desenvolvimento racional da produção e o aumento do consumo na União.

CAPÍTULO 2

COOPERAÇÃO ADUANEIRA

artigo 33

(ex-artigo 135.o TCE)

No âmbito dos Tratados, o Parlamento Europeu e o Conselho, de acordo com o processo legislativo ordinário, tomam medidas para reforçar a cooperação aduaneira entre os Estados-Membros e entre estes e a Comissão.

CAPÍTULO 3

PROIBIÇÃO DE RESTRIÇÕES QUANTITATIVAS ENTRE ESTADOS-MEMBROS

artigo 34

(ex-artigo 28.o TCE)

São proibidas restrições quantitativas à importação, bem como todas as medidas de efeito equivalente entre os Estados-Membros.

artigo 35

(ex-artigo 29.o TCE)

São proibidas restrições quantitativas às exportações, bem como todas as medidas de efeito equivalente entre os Estados-Membros.

artigo 36

(ex-artigo 30.o TCE)

O disposto nos artigos 34 e 35 não obsta a proibições ou restrições à importação, exportação ou trânsito justificadas por razões de moralidade pública, ordem pública, segurança pública, proteção da vida e saúde humana e animal, proteção de plantas, proteção de tesouros nacionais de valor artístico, histórico ou arqueológico ou proteção de propriedades industriais e comerciais. Contudo, essas proibições ou restrições não devem constituir um meio de discriminação arbitrária ou uma restrição dissimulada ao comércio entre Estados-Membros.

artigo 37

(ex-artigo 31.o TCE)

1. Os Estados-Membros devem adaptar os monopólios comerciais estatais para excluir qualquer discriminação contra os nacionais dos Estados-Membros no que diz respeito às condições de fornecimento e comercialização.

O disposto no presente artigo aplica-se a qualquer organismo através do qual um Estado-Membro, de direito ou de fato, direta ou indiretamente, controle, direcione ou influencie visivelmente as importações ou exportações entre Estados-Membros. Essas disposições também se aplicam aos monopólios licenciados pelo Estado.

2. Os Estados-Membros devem abster-se de introduzir novas medidas contrárias às referidas no no 1. Os princípios referidos no n.o XNUMX ou que limitam o âmbito de aplicação dos artigos relativos à proibição de direitos aduaneiros e restrições quantitativas entre Estados-Membros.

3. Quando um monopólio comercial do Estado implica um regulamento destinado a facilitar a comercialização ou melhor uso de produtos agrícolas, a aplicação do disposto neste Artigo deve garantir garantias equivalentes para o emprego e o padrão de vida dos produtores envolvidos.

Leia-os aqui -> http://eur-lex.europa.eu/legal-content/DA/TXT/?uri=celex%3A12012E%2FTXT

Você pode ler mais sobre suas opiniões sobre CBD e maconha na Agência Dinamarquesa de Medicamentos. Perguntas e respostas sobre maconha medicinal: O que é legal? -> http://laegemiddelstyrelsen.dk/da/special/medicinsk-cannabis/borgere/

Você tem perguntas?

Estamos prontos para ajudá-lo - sejam suplementos ou qualidade de vida.